3ª parte Chakras – Laríngeo e Cardíaco

Chakras LaringeoEntendendo melhor sobre cada um deles

Assim como há a anatomia do corpo físico, podemos perceber também uma anatomia espiritual (ou sutil) no Ser Humano. Nela estão inúmeros chakras e centros energéticos. Dando continuidade ao artigo Chakras – entendendo sua importância, começamos uma série de artigos onde ressaltaremos os 12 principais Chakras de nosso corpo, mostrando as características de cada um deles.

12 prinicpais ChakrasAbaixo trazemos mais dois destes vórtices que funcionam como usinas geradoras de energia do corpo:

5 – Chakra Laríngeo

O Chakra Laríngeo controla e comanda a Glândula Tireoide, que fica no meio da garganta. Estritamente associado à objetividade e à praticidade. É o centro da expressão da mente concreta, relacionado à inteligência concreta e ao discernimento.

Um centro de força Laríngeo bem desenvolvido é requisito para a transformação de ideias em planos, praticar atividades organizadas e resultados. Se esse centro for desenvolvido em excesso, sem considerar o coração, a pessoa se torna excessivamente crítica e muito meticulosa.

Chakras Cardíaco6 – Chakra Cardíaco

São dois pontos, o Anterior, mais ou menos no meio do osso Esterno (um osso chato, plano e ímpar que apresenta 3 partes: manúbrio, corpo e processo xifoide) e seguindo na mesma direção o Posterior.

O chakra Cardíaco Anterior controla e comanda a Glândula Timo, o sistema imunológico e o coração em termos físicos. Já o Chakra Cardíaco Posterior controla o pulmão.

Em geral, estes dois pontos são os centros de forças mais familiar às pessoas. Está relacionado à inteligência emocional, ao carisma e à natureza do amor. As faculdades do amor, compaixão, altruísmo e benevolência utilizam o centro cardíaco, especialmente guiado pela natureza do amor incondicional estimulada pelo Chakra Coronário.

Esse centro do amor se expande, ou se contrai, de acordo com a atividade e a emoção projetadas ou recebidas pelo indivíduo. Quando nos apaixonamos ou fazemos coisas boas para os outros, sentimos uma sensação aconchegante e agradável na região do peito, do mesmo modo quando uma pessoa fere a outra, o peito fica pesado, contraído e fechado.

Ao ativar esse centro, pode-se sentir amor, paz, felicidade e inclusive adquirir naturalmente a capacidade de perdoar os outros.

Veja também:

Namastê.

😉

Anúncios

Livro Manual do Herói

manual do heroi - capa livro

Autora: Sonia Hirsch

Segundo a editora Correcotia, o Manual do Herói “coloca ao alcance de leigos e estudiosos os conhecimentos básicos da medicina e da dietética chinesas… ultrapassa o conceito de alimentação natural e entra nas questões mais profundas da alimentação”.

Nada de receitas de drogas e regras chatas e técnicas que dão crises de ansiedade. Traz uma linguagem atraente e apresenta uma síntese da filosofia holística que os chineses desenvolveram em relação à alimentação. Prevenindo e equilibrando o organismo, evitamos desarmonias que causam doença.
Aborda alimentação, órgãos, energia vital, sangue, respiração sobre a ideia do Ying e Yang. Entendendo os processos internos e externos do corpo nos livramos das receitas do dia a dia. Facilita o entendimento do valor de trocar a “medicina da doença” por uma “medicina da saúde”.

Yin Yang - fogoYing & Yang

Tudo o que se quer entender carece de um mínimo de arrumação. Os chineses de antigamente, muito apaixonados pela observação e classificação dos fenômenos da natureza, arrumaram o mundo primeiro em yin e yang, a quietude e o movimento, o sombrio e o luminoso, o vazio e o cheio, a água e o fogo.

Essa forma de pensar, a princípio estranha, se torna simples e vigorosa quando nos acostumamos com ela – ou melhor, quando percebemos que yin e yang não são forças opostas e distintas, mas qualidades inseparáveis de um mesmo processo. Você joga a bola para cima, herói, e enquanto há impulso ela sobe, e isto é yang; acabado o impulso ela pára de subir e cai, e isto é yin. Yang: movimento. Yin: quietude.

Nada é yin ou yang o tempo todo. Quando um movimento atinge sua expressão máxima, se transforma no outro. Como uma onda no mar, que começa devagarinho, vai crescendo, mostra sua força, atinge seu máximo – e quebra, deixando despencar aquele monte de água e espuma.

Yin e yang refletem as mutações contínuas do próprio universo e nos dão a chave para compreender uma realidade sempre relativa, cheia de novidades e surpresas, e entretanto constante em seus ciclos temporais.

Namastê!

😉

Fonte: Editora Correcotia / Além das paredes

2ª parte Chakras – Testa e Ajna

Chakras - capa segunda parteEntendendo melhor sobre cada um deles

Assim como há a anatomia do corpo físico, podemos perceber também uma anatomia espiritual (ou sutil) no Ser Humano. Nela estão inúmeros chakras e centros energéticos. Dando continuidade ao artigo Chakras – entendendo sua importância, começamos uma série de artigos onde ressaltaremos os 12 principais Chakras de nosso corpo, mostrando as características de cada um deles.

12 prinicpais Chakras

Abaixo trazemos mais dois destes vórtices que funcionam como usinas geradoras de energia do corpo:

3-  Testa

Localizado no centro da testa, é responsável pelas faculdades da memória, das visões intuitivas e da grande percepção. É um centro energético oculto que a maioria das pessoas desconhece. A agitação emocional e a capacidade de sentir prazer, incluindo o orgasmo, também são parcialmente reguladas por esse chakra, que controla o centro do prazer e da dor, além do sistema límbico.

O chakra da Testa regula e controla a glândula Pineal, o sistema nervoso e as funções do cérebro frontal.

Responsável também pela visão interna, visão espiritual, percepção, maior clarividência, sensibilidade emocional a prazer e dor, memória e imaginação.

4-  Ajna

Situado entre as sobrancelhas, controla e energiza a glândula pituitária e todo o nosso corpo. É chamado de “chakra mestre”, justamente porque controla todos os chakras principais, além do sistema endócrino, portanto sua ativação consegue afetar todos os órgãos vitais.

Funciona como o centro da mente abstrata (ou superior) e é também o centro da vontade ou função diretora.

Com o estímulo e ativação desse centro, pode-se obter força de vontade e inteligência mental abstrata.

É responsável também pelo pensamento abstrato, baseado em princípios e atitudes mentais filosóficas. Controla nossa capacidade de entendimento mental e de termos criatividade através de ideias mais elevadas. Fortalece nossa resistência e força de vontade, pela capacidade de focalizar um ponto, pela virtude da disciplina e da consciência.

Veja também:

Namastê.

😉

1ª parte Chakras – Egóico e Coronário

Chakra Egoico - capaEntendendo melhor sobre cada um deles

Dando continuidade ao artigo Chakras – entendendo sua importância, trazemos uma série de artigos onde ressaltaremos os 12 principais Chakras de nosso corpo, mostrando as características de cada um deles.

Assim como há a anatomia do corpo físico, podemos perceber também uma anatomia espiritual (ou sutil) no Ser Humano. Nela estão inúmeros chakras e centros energéticos.

12 prinicpais Chakras

Abaixo descrevemos dois destes vórtices, que funcionam como usinas geradoras de energia do corpo:

1- Egóico

Centro Egóico, conhecido como “chakra esotérico”, fica 12 polegadas (30,5 cm) acima do topo da cabeça.

Mesmo não sendo conhecido pela maioria dos praticantes de Yoga e meditadores, trata-se de um dos chakras mais importantes na meditação esotérica, principalmente para praticantes mais avançados.

O centro Egóico, também conhecido como o chakra da alma encarnada ou do Ego, funciona como um grande software de encarnação para a personalidade completa. É o transmissor da força, do amor e da luz divina, além de ser mediador entre a alma e a personalidade. Não está ativo na maioria das pessoas, a menos que elas venham a desenvolver e utilizar a mente mais elevada ou abstrata.

2-  Coronário

Localizado no topo da cabeça, quando é estimulado com regularidade, esse chakra armazena as forças da intuição, do amor incondicional e da sabedoria, além de levar inspiração à alma.

Sendo um dos centros energéticos mais importantes, deve ser ativado e fortalecido para uma meditação avançada. Importante para o desenvolvimento de faculdades mais elevadas, o que leva à vivencia da iluminação ou expansão da consciência.

Estimula às virtudes da benevolência, do altruísmo, do sacrifício, do desprendimento, da consciência global, da intuição, da visão espiritual, da sabedoria, da serenidade, do contentamento e da inspiração.

Controla e comanda as funções centrais do Cérebro, incluindo a glândula pineal, considerada a principal das glândulas endócrinas.

Veja também:

Namastê.

😉

Marina De La Riva canta Dorival Caymmy – São Paulo

Marina de la riva canta Dorival Caymmi - capaA cantora Marian De La Riva sobe ao palco para uma série de shows, comemorando o centenário de nascimento de Dorival Caymmi. Será no Teatro do Sesc Bom Retiro (Alameda Nothmann, 185 – São Paulo) e tem três datas programadas: 10.04 (sexta) às 20h, 11.04 (sábado) às 19h e 12.04 (domingo) às 18h.

Nessa homenagem, a cantora carioca interpretará obras do compositor baiano que falam sobre amor, folclore e o mar, além de toadas e sambas como: É doce morrer no mar, Vestido de bolero, Acalanto, Você não sabe amar, entre outras.

Para adquirir ingressos, acesse a página do Sesc

Biografia – Marina de la Riva é uma intérprete brasileira de alma cubana. Seu pai e seu avô são cubanos que fugiram da ilha após a ascensão do ditador Fidel Castro. A família mudou-se inicialmente para Miami e depois para o Brasil – mais precisamente Campos, cidade do interior do Rio de Janeiro onde Marina nasceu, em 1972.

Em 2004 ela viaja até Cuba para gravar seu disco de estréia com o título “Marina de la Riva”. Lançado apenas em 2007, neste álbum ela gravou um repertório de clássicos cubanos, acompanhada por músicos locais.

Bom show.

😉

Quer motivação? Então valorize sua disciplina

Disciplina - Quer motivação invista em disciplinaPara fazer qualquer coisa, há basicamente duas formas de se colocar em uma situação em que aquilo efetivamente vai ser feito.

A primeira opção é a mais popular: tentar se automotivar. A segunda é menos popular: cultivar a disciplina.

Mais qual a diferença entre elas?

A motivação, falando de modo geral, opera sob a presunção errônea de que é necessário um estado mental ou emocional particular para que uma tarefa seja realizada.

A disciplina, em vez disso, separa o funcionamento externo dos sentimentos e mudanças de humor, e assim ironicamente, ao melhorar as emoções de modo consistente, evita o problema.

Levar as tarefas a cabo efetivamente causa sentimentos interiores (vontade própria) que os procrastinadores crônicos acreditam que precisam para iniciar as tarefas em primeiro lugar.

Colocando de forma mais simples, não se deve esperar até se estar em boa forma para começar a treinar. Treina-se para se chegar à boa forma.

Quando a ação é condicionada pelas emoções (esperar um estado de humor ideal) torna-se uma forma particularmente de procrastinação. Quem espera até “ter vontade de fazer as coisas” faz surgir o temido círculo vicioso de procrastinação.

 

Ciclo da procrastinaçãoA essência de correr atrás da motivação é a insistência na fantasia infantil de que só devemos fazer as coisas que estamos a fim de fazer. O problema então se coloca da seguinte forma: “Como eu chego ao ponto de estar a fim de fazer o que eu racionalmente decidi fazer?” Isso é ruim demais.

A pergunta certa seria: “Como deixo meu humor de lado e faço as coisas que conscientemente quero fazer, sem frescura?”

O ponto é cortar a ligação entre os sentimentos e as ações, e fazer a coisa de qualquer jeito. Você vai se sentir bem, energético e empolgado depois de agir.

Também há problemas psicológicos na dependência da motivação. A vida real, algumas vezes, exige que façamos coisas com que ninguém em sã consciência conseguiria se entusiasmar. Com isso, a “motivação” se depara com o obstáculo insuperável: produzir entusiasmo por aquilo que objetivamente jamais será entusiasmante.

Tentar martelar o entusiasmo por atividades fundamentalmente chatas é uma forma de automutilação psicológica, uma insanidade voluntária: “GOSTO TANTO DESSAS PLANILHAS, MAL POSSO ESPERAR PARA PREENCHER A EQUAÇÃO PARA O VALOR FUTURO DA ANUIDADE, AMO TAAAAANTO MEU TRABALHO!”

O erro crucial aqui é encarar essas atividades em termos de presença ou ausência de motivação. A resposta é a disciplina, não a motivação.

Há outro problema prático com a motivação. Tem validade restrita, precisa ser constantemente revigorada. É como dar corda manualmente numa manivela pesada, para através disso, obter uma grande força instantânea. No melhor dos casos, ela armazena e converte a energia para uma finalidade específica.

Há situações onde ela é a atitude correta, exceções em que ficar superanimado e armazenar um montão de energia mental de antemão é o melhor a fazer. Corridas olímpicas ou fugas de prisões seriam casos assim. Mas fora esses casos específicos, ela é uma base ruim para regular nosso cotidiano, ou para qualquer coisa que exija resultados consistentes a longo prazo.

Em contraste a isso, a disciplina é como uma máquina que uma vez colocada em funcionamento, na verdade passa a fornecer energia ao sistema (cotidiano).

Perceba o valor da sensação de "dever cumprido"

Perceba o valor da sensação de “dever cumprido”

Para resultados consistentes em longo prazo, a disciplina supera em muito a motivação, de fato a disciplina acaba correndo ao redor, humilhando a motivação.

Em resumo, a motivação é tentar encontrar aquela vontade de fazer as coisas. Disciplina é fazer mesmo se não se tem vontade.

A disciplina é um sistema que funciona, já a motivação é semelhante aos objetivos em si. A disciplina mais ou menos se autoperpetua e é constante, já a motivação é uma coisa meio aos solavancos.

Como se cultiva disciplina? Construindo hábitos – começando com coisas bem pequenas, com que se consegue lidar. Assim vamos ganhando impulso, reinvestimos em mudanças cada vez maiores na rotina, dessa forma construindo um círculo virtuoso de retroalimentação positiva.

A motivação é uma atitude contraproducente. O que conta é a disciplina.

😉

 

Fonte: Adaptação do texto originalmente publicado por Wisdomination.com